Apostila digital concurso da SEAPA - RS 2013 - Engenheiro Agrônomo
  Carregando... Por favor, aguarde...

Apostila digital concurso da SEAPA - RS 2013 - Engenheiro Agrônomo

Fabricante: Equipe Autodidata

R$125,00

ou R$112,50 no Boleto Ou em 12x de R$10,42
sem juros no cartão de crédito


Sobre a Apostila Digital

Como receberei a apostila digital?

 Após a confirmação do pagamento você receberá um link no seu e-mail que lhe direcionará para a sua conta em nosso site onde você irá baixar os arquivos (todos em PDF).

ATENÇÃO É NECESSÁRIO FAZER O CADASTRO NO SITE PARA TER ACESSO A COMPRA E AO DOWNLOAD DO ARQUIVO

Qual o prazo de entrega da apostila digital?

 Você Receberá a apostila em seu e-mail no mesmo dia APÓS A CONFIRMAÇÃO DO PAGAMENTO.

 Como confirmar o pagamento da apostila?

Você nos envia o comprovante de pagamento para o email: contato@apostilasautodidata.com.br e enviaremos o produto.

 Qual a forma de pagamento da apostila?

 Depósito Bancário, ou Boleto Bancário, Débito e Cartão de Crédito

-(Pelo Sistema 100%  Seguro na Opção de Pagamento MOIP)

Obs: Caso não receba seu produto, o dinheiro será devolvido! Compra 100% Segura.

ATENÇÃO: Posso imprimir,  ou copiar?

sim, pode imprimir
 
Dúvidas?

e-mail:  contato@apostilasautodidata.com.br

 

 CONCURSO  PÚBLICO

SECRETARIA DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E AGRONEGÓCIO – SEAPA - RS

EDITAL DE CONCURSOS PÚBLICOS N.º 01/2013

 

CARGO: ENGENHEIRO AGRÔNOMO - FISCAL ESTADUAL AGROPECUÁRIO - FEA

 

LÍNGUA PORTUGUESA

 

- Interpretação de textos. Informações literais e inferências. Pressupostos e subentendidos. Estruturação  do texto e dos parágrafos. Recursos de coesão. Variedades de textos e adequação de linguagem. Ponto  de vista do autor. Tipologia textual.

- Vocabulário. Significado contextual de palavras e expressões. Variedades linguísticas. Sinonímia contextual. Homonímia. Polissemia.

- Formação e estruturação de palavras. Valores de prefixos, radicais e sufixos. Famílias etimológicas.

- Classes e categorias gramaticais. Usos e principais valores associados a cada classe.

- Sistema de flexão verbal. Valores dos tempos e dos modos verbais.

- Concordância verbal e nominal. Regência verbal e nominal. Crase.

- Pontuação e sua relação com a estruturação sintática.

- Subordinação e coordenação. Compreensão da natureza das relações de subordinação e coordenação.

- Transformação e equivalência de estruturas: ordem direta e indireta, discurso direto e indireto, vozes  verbais etc. Paralelismo sintático e semântico. Partículas de transição e palavras de referência.

- Ortografia e acentuação, principais dificuldades da língua portuguesa (melhor e mais bem, há a à, grafia  dos porquês etc).

 

– LÍNGUA INGLESA

 

- Compreensão e interpretação de textos.

- Significado de palavras e expressões idiomáticas.

- Emprego das classes das palavras.

- Aspectos gramaticais necessários para a adequada compreensão de textos, tomando por base os conteúdos das gramáticas da Língua Inglês- nível intermediário, dentre os quais:

* Sentence elements, Verbs and Verb Phrases: Regular and Irregular Verbs, Two-word Verbs, Verb Forms, Verb Tenses, Auxiliaries Verbs, Modal Auxiliaries, Conditional Sentences, Voices.

* Noun, Pronouns and Basic Noun Phrases: personal, reflexive, possessive, relative, interrogative and demonstrative pronouns, determiners, quantifiers, countable and uncountable nouns, genitive case, etc.

* Adjectives and Adverbs (comparative and superlative forms).

* Prepositions and prepositional phrases.

* Conjunctions and Connectors.

* Word formation.

 

LÍNGUA ESPANHOLA

 

- Compreensão e Interpretação de textos.

 Estrutura – relações entre partes do texto.

 Conteúdo – idéia principal e secundária, relações de sentido entre partes do texto.

- Semântica.

 Significação de palavras e expressões.

 Sinonímia e antonímia.

 Denotação e conotação.

 Convenções ortográficas: acentuação das palavras, grafia das palavras.

- Morfossintaxe.

 Flexão verbal e nominal.

 Concordância verbal e nominal.

 Emprego de classes gramaticais: pronomes pessoais, pronomes possessivos, numerais.

 Emprego de nexos oracionais.

 

INFORMÁTICA

 

- Internet: conceitos básicos (Web, clientes, servidores, protocolo HTTP, URLs, hipertextos, HTML, sites, homepages); utilização dos recursos do Internet Explorer 9.0; navegação e uso dos serviços da Internet (correio eletrônico, download de arquivos); utilização de mecanismos de busca (Google, Bing, etc).

 

- Microsoft Windows 7 Profissional, em português: uso do ambiente gráfico (janelas, menus e atalhos); painel de controle (configuração do ambiente Windows); área de trabalho; área de transferência; aplicativos e acessórios; Windows Explorer; Meu Computador; conceitos, criação, manipulação e propriedades de pastas, arquivos e atalhos; backup e compactação de arquivos; uso dos recursos de rede.

 

- Microsoft Word 2010, em português: edição e formatação de documentos; uso das barras de ferramentas, menus e atalhos; régua; formatação de caracteres, parágrafos, marcadores e numeração, colunas, tabelas, figuras, objetos e estilos; configuração de página e impressão de documentos; cabeçalho e rodapé; modos de exibição dos documentos; quebra de página, de seção e de coluna; numeração de páginas; inserção de notas e legendas; geração de índices; inserção de objetos e desenhos; proteção dos documentos; uso do corretor ortográfico e gramatical; revisão de documentos.

 

- Microsoft Excel 2010, em português: edição, inserção, exclusão, formatação e manipulação de planilhas eletrônicas; uso das barras de ferramentas, menus e atalhos; conceitos, inserção, exclusão, manipulação e formatação de células, colunas, linhas e gráficos; dividir e mesclar células; elaboração de fórmulas e o uso de funções; inserção de objetos; controle de quebras; numeração de páginas; formatação condicional; congelar painéis; classificação.

 

- Microsoft Powerpoint 2010, em português: edição, inserção, exclusão, formatação e manipulação de slides e apresentações; uso das barras de ferramentas, menus e atalhos; inserção e manipulação de animações; inserção de objetos.

 

 CONHECIMENTOS GERAIS

 

- Temática de gênero, raça e etnia, conforme Decreto nº 48.598, de 19 de novembro de 2011.

- Atualidades: política, econômica e social do mundo.

- História do Brasil.

- Geografia econômica do Brasil.

- Aspectos físicos: relevo, clima, vegetação, hidrografia do RS.

- Recursos minerais e energéticos. A produção de energia gaúcha.

- Aspectos de população e econômicos do RS

 

CONHECIMENTOS ESPECIFICOS – ENGENHEIRO AGRÔNOMO

 

- Fitossanidade: Entomologia Agrícola Aplicada: Importância e características gerais dos insetos;  Fitopatologia: Sintomatologia e diagnose de doenças. Epidemiologia aplicada ao manejo de pragas de plantas: Natureza das epidemias, influência do clima no desenvolvimento das doenças de plantas,  quantificação de doenças e do crescimento do hospedeiro, análise temporal e espacial de epidemias,  sistema de previsão e estações de aviso, quantificação de danos e perdas, interações entre doenças de  plantas, sobrevivência de fitopatógenos, tomada de decisão no manejo de doenças de plantas, análise de  riscos em proteção de plantas, manejo integrado – medidas e controle.

 

- Defesa Fitossanitária: Legislação Fitossanitária. Normas Internacionais para medidas fitossanitárias –  Princípios de proteção dos vegetais; Terminologias; Normas para estabelecimento de áreas livres de  pragas e doenças; determinação do status de uma praga em uma área; Análise de Riscos de pragas e  Sistema de Mitigação de Risco. Órgãos das Relações Internacionais: Organização Mundial do Comércio.

 

Convenção Internacional de Proteção dos Vegetais – CIPV. Comitê Sul-Americano de Sanidade dos Vegetais – COSAVE

 

- Sistema de Certificação e Rastreabilidade Vegetal: Sistema de produção Integrada em frutas e culturas  anuais.

 

Instruções Normativas de apoio aos processos de certificação e rastreabilidade na emissão de  Certificado Fitossanitário de Origem (CFO),

 

Certificado de Origem Consolidado (CFOC), Permissão de  Trânsito Vegetal (PTV). Exigências específicas de certificação para mercado interno e externo. Emissão e  permissão para trânsito interestadual e internacional. Exigências específicas de certificação fitossanitária  de produtos vegetais e materiais de propagação vegetal.

 

Conhecimentos na área de fiscalização de insumos agrícolas (sementes, mudas e agrotóxicos e  afins)

 

- Legislação de sementes e mudas e agrotóxicos, seus componentes e afins. Toxicologia e classificação  dos agrotóxicos. Receituário agronômico. Tecnologia e segurança na aplicação de agrotóxicos. Resíduos  de agrotóxicos nos alimentos. Descarte de embalagens vazias de agrotóxicos.

 

Conhecimentos na área de enologia

 

- Noções básicas sobre viticultura e enologia. Legislação sobre a produção, circulação e comercialização  do vinho e derivados da uva e do vinho.

 Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 01. Princípios Fitossanitários para a Proteção  dos vegetais e a Aplicação de Medidas Fitossanitárias no Comércio Internacional.

 

Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 04 Requisitos para o estabelecimento de  áreas livres de pragas.

 

Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 05. Glossário de termos fitossanitários.

 

Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 08. Determinação do status de uma praga em uma área.

 

Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 11. Análise de Risco de Pragas para Pragas  Quarentenárias, incluindo Análise de Riscos Ambientais e de Organismos Vivos Modificados.

 

Norma Internacional para Medidas Fitossanitárias – NIMF n° 16. Pragas Não Quarentenárias Regulamentadas – Conceito e Aplicação.

 

Decreto Federal n° 24.114, de 12 de abril de 1934. Dispõe sobre o regulamento de Defesa Sanitária Vegetal.

 

Lei Federal n° 8.171, de 17 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política agrícola. Esta Lei fixa os fundamentos, define os objetivos e as competências institucionais, prevê os recursos e estabelece as ações e instrumentos da política agrícola, relativamente às atividades agropecuárias, agroindustriais e de planejamento das atividades pesqueira e florestal.

 

Decreto Federal n° 5.741, de 30 de março de 2006. Regulamenta os artigos 27-A, 28-A e 29-A da Lei Federal nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991, organiza o Sistema Unificado de

 

Atenção à Sanidade Agropecuária, e dá outras providências.

 

Portaria Interministerial n° 290, de 15 de abril de 1996. Determina aos órgãos da Administração Direta e  Indireta dos Ministérios, bem como às entidades conveniadas, que a detecção ou caracterização de  qualquer praga até então considerada inexistente no território nacional, deve imediatamente ser notificada  a sua ocorrência à Secretaria de Defesa Agropecuária do MAPA e da Reforma Agrária, antes de qualquer  divulgação.

 

Portaria MAPA n° 139, de 31 de agosto de 1978. Proíbe a venda ambulante de mudas cítricas em todo o  território nacional.

 

Portaria MAPA n° 291, de 23 de julho de 1997. Aprova as normas sobre exigências, critérios e  procedimentos, a serem adotados pela Campanha Nacional de Erradicação do Cancro Cítrico —  CANECC, em áreas contaminadas pela doença e naquelas que venham a ser afetadas.

 

Portaria MAPA n° 125, de 03 de agosto de 1998. Regulamenta o trânsito de madeira bruta, serrada e  beneficiada de Pinus sp.

Instrução Normativa MAPA n° 16, de 18 de março de 2003. Proíbe a saída de material propagativo de  citros (mudas, borbulhas, porta-enxertos), formado ou produzido em viveiros telados e a céu aberto nos  Municípios de Comendador Gomes, Frutal, Uberlândia, Monte Alegre de Minas, Prata, Campo Florido e  Planura do Estado de Minas Gerais, e em Altair, Barretos, Colômbia, Guarací, Olímpia e Nova Granada, do  Estado de São Paulo, e outros onde for constatada a ocorrência da Morte Súbita dos Citros, exceção feita  ao material produzido em ambiente protegido com tela antiafídeos de malha de, no máximo, 0,64mm por  0,20mm.

 

Instrução Normativa SDA/MAPA n° 17, de 31 de maio de 2005. Aprova os procedimentos para a  caracterização, implantação e manutenção de área livre da Sigatoka Negra e os procedimentos para  implantação e manutenção do sistema de mitigação de risco para Sigatoka Negra - Mycosphaerella  fijiensis.

 

Instrução Normativa MAPA n° 09, de 20 de abril de 2006. Define as cultivares e seus respectivos graus de  suscetibilidade à bactéria denominada cientificamente de Xanthomonas campestris pv. viticola, bem como  adota as exigências fitossanitárias para suas mudas e as medidas de prevenção, controle e erradicação da  referida praga.

 

Instrução Normativa SDA/MAPA n° 16, de 05 de março de 2006. Estabelece, para fins de Certificação  Fitossanitária com Declaração Adicional, a condição para Sistema de Mitigação de Risco, como opção  reconhecida de manejo de risco para a praga Anastrepha grandis Macquart, em cultivos de Cucumis melo  L. (melão), Citrullus lanatus Thunb. (melancia), Cucurbita spp. (abóbora) e Cucumis sativus L. (pepino).

 

Instrução Normativa MAPA n° 48, de 23 de outubro de 2007. Institui o Programa Nacional de Erradicação  da Cydia pomonella - PNECP no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Instrução Normativa MAPA n° 52, de 20 de novembro de 2007. Estabelece a lista de pragas  quarentenárias ausentes (A1) e de pragas quarentenárias presentes (A2) para o Brasil e aprova os  procedimentos para as suas atualizações.

 

Instrução Normativa MAPA n° 54, de 04 de dezembro de 2007. Aprova a Norma Técnica para a utilização  da Permissão de Trânsito de Vegetais – PTV.

 

Instrução Normativa MAPA n° 55, de 04 de dezembro de 2007. Aprova a Norma Técnica para a utilização  do Certificado Fitossanitário de Origem - CFO e do Certificado Fitossanitário de Origem Consolidado -  CFOC.

 

Instrução Normativa MAPA n° 03, de 08 de janeiro de 2008. Aprova os critérios e procedimentos para  aplicação das medidas integradas em um enfoque de Sistemas para o Manejo de Risco - SMR da praga  Mancha Preta ou Pinta Preta dos Citros (MPC) Guignardia citricarpa Kiely (Phyllosticta citricarpa) em  espécies do gênero Citrus destinadas à exportação e quando houver exigência do país importador.

 

Instrução Normativa MAPA n° 23, de 29 de abril de 2008. Restringe o trânsito de plantas e suas partes,  exceto sementes e material in vitro, das espécies hospedeiras da mosca negra dos citros (Aleurocanthus woglumi) constantes da lista oficial de Pragas Quarentenárias Presentes no Brasil, quando oriundas de Unidades da Federação (UF) onde seja constatada, por laudo laboratorial, a presença da praga.

 

Instrução Normativa MAPA n° 41, de 1º de julho de 2008. Altera os Anexos I e II da Instrução Normativa n°  52, de 20 de novembro de 2007.

 

Instrução Normativa MAPA n° 53, de 16 de outubro de 2008. Aprova os critérios e procedimentos para a  realização, por parte dos Órgãos Estaduais de Defesa Sanitária Vegetal (OEDSVs) das Instâncias  Intermediárias integrantes do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária, dos levantamentos  de ocorrência da praga denominada Huanglongbing (HLB) - Greening, que tem como agente etiológico a  bactéria Candidatus Liberibacter sp, em plantas hospedeiras constantes da lista oficial de pragas

quarentenárias presentes, visando à delimitação da extensão das áreas afetadas e à adoção de medidas  de prevenção e erradicação.

 

Instrução Normativa MAPA n° 01, de 05 de janeiro de 2009. Altera o art. 1º, da Instrução Normativa n° 03,  de 08 de janeiro de 2008.

 

Instrução Normativa SDA/MAPA n° 04, de 27 de março de 2012. Altera o caput do art. 2º e acrescenta os  incisos I a VI, e no art. 11 acrescenta os §§ 1º, 2º, 3º e 4º, ambos, da Instrução Normativa n° 17, de 31 de  maio de 2005.

 

Instrução Normativa MAPA n° 08, de 17 de abril de 2012. Proíbe o trânsito de vegetais e suas partes das  espécies Citrus spp, Cocos nucifera, Acacia sp, Azadirachta indica, Melia azedarach e Sorghum bicolor,  hospedeiras do Ácaro Hindu dos Citros (Schizotetranychus hindustanicus), quando oriundas de Unidades  da Federação (UF) onde seja constatada, por laudo laboratorial oficial, a presença da praga.

 

Instrução Normativa MAPA n° 32, de 20 de novembro de 2012. Estabelece as Normas para a Produção e  a Comercialização de Material de Propagação de Batata (Solanum tuberosum L.) e os seus padrões, com  validade em todo o território nacional, visando à garantia de sua identidade e qualidade.

 

Instrução Normativa MAPA n° 06, de 07 de fevereiro de 2013. Altera o caput do art. 1º, inserindo o  parágrafo único, da Instrução Normativa MAPA n° 08, de 17 de abril de 2012.

Instrução Normativa MAPA n° 20, de 20 de junho de 2013. Institui o Programa Nacional de Prevenção e  Controle do Cancro Europeu das Pomáceas (Neonectria galligena) - PNCEP com a finalidade de  estabelecer os critérios e procedimentos para a contenção da praga, e Grupo com o objetivo de propor,  acompanhar e avaliar as ações para a implementação e o desenvolvimento do PNCEP no âmbito do  Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento- MAPA.  

 

Lei Estadual n° 9.482, de 24 de dezembro de 1991. Torna obrigatório o controle do “serrador” da acácia  negra.

 

Decreto Estadual n° 48.304, de 29 de agosto de 2011. Dispõe sobre o regulamento do controle obrigatório  do “serrador” da acácia-negra, de que trata a Lei Estadual n° 9.482, de 24 de dezembro de 1991.

 

Portaria SEAPA n° 133, de 10 de agosto de 2011. Proíbe a entrada no Estado do Rio Grande do Sul de  plantas, parte de plantas e mudas de murta (Murraya paniculata) produzidos nos Estados com a ocorrência  de Candidatus liberibacter spp. (Huanglongbing).

 

Portaria SEAPA n° 154, de 26 de setembro de 2011. Institui normas e medidas fitossanitárias do controle  do cascudo-serrador da acácia negra.

 

Lei Federal n° 10.711, de 05 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e  dá outras providências.

 

Decreto Federal n° 5.153, de 23 de julho de 2004. Aprova o Regulamento da Lei Federal n° 10.711, de 05  de agosto de 2003, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas - SNSM, e dá outras  providências.

 

Instrução Normativa MAPA n° 24, de 16 de dezembro de 2005. Aprova as normas para produção,  comercialização e utilização de mudas.

 

Instrução Normativa MAPA n° 09, de 02 de junho de 2005. Aprova as normas para produção,  comercialização e utilização de sementes.

 

Lei Federal n° 7.802, de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a  embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a  utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a  classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras  providências.

 

Lei Federal n° 9.974, de 06 de junho de 2000. Altera a Lei Federal n° 7.802, de 11 de julho de 1989, que  dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o  armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o  destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização  de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências.

 

 

Decreto Federal n° 4.074, de 04 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei Federal n° 7.802, de 11 de julho de  1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o  transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a  exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e  a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências.

 

Decreto Federal n° 5.549, de 22 de setembro de 2005. Dá nova redação e revoga dispositivos do Decreto  Federal n° 4.074, de 04 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei Federal n° 7.802, de 11 de julho de  1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o  transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a  exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e

a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins.

Decreto Federal n° 5.981, de 06 de dezembro de 2006. Dá nova redação e inclui dispositivos ao Decreto  Federal n° 4.074, de 04 de janeiro de 2002, que regulamenta a Lei Federal n° 7.802, de 11 de julho de  1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o  transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a  exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e

a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins.

 

Lei Federal n° 7.678, de 08 de novembro de 1988. Dispõe sobre a produção, circulação e comercialização  do vinho e derivados da uva e do vinho, e dá outras providências.

 

Lei Federal n° 10.970, de 12 de novembro de 2004. Altera dispositivos da Lei Federal n° 7.678, de 08 de  novembro de 1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da  uva e do vinho, e dá outras providências.

 

Decreto Federal n° 99.066, de 08 de março de 1990. Regulamenta a Lei Federal n° 7.678, de 08 de  novembro de 1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados do  vinho e da uva.

 

Lei Nº 7.678, de 8 de novembro de 1988. Dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho  e derivados da uva e do vinho, e dá outras providências.

 

Lei Nº 10.970, de 12 de novembro de 2004. Altera dispositivos da Lei n° 7.678, de 8 de novembro de 1988, que dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados da uva e do vinho, e dá  outras providências.

 

Decreto 99.066 de 08 de março de 1990. Regulamenta a Lei n.° 7.678, de 8 de novembro de 1988, que  dispõe sobre a produção, circulação e comercialização do vinho e derivados do vinho e da uva.

 

Decreto Nº 113, de 6 de maio de 1991. Altera o Decreto nº 99.066, de 8 de março de 1990, que  regulamenta a Lei nº 7.678, de 8 de novembro de 1988.

 

 

GRÁTIS: 

+ Provas anteriores na área

+ Curso de Leitura Dinâmica, Técnica de Estudo, Concentração e Memorização.

+ Curso de memorização

+ Como Estudar Para Ser Aprovado em Provas, Exames e Concursos.

Telefones (91) 3278-8044 / 98708-9524/98318-6353

E-mail: contato@apostilasautodidata.com.br

A APOSTILA É DIGITAL PARA ENTREGA IMEDIATA

 

DAS FORMAS DE PAGAMENTO:


 

 

DESCONTO DE 10% PARA DEPÓSITO BANCÁRIO NO VALOR TOTAL DA COMPRA

 No caso de depósito bancário confirme o pagamento para o e-mail: contato@apostilasautodidata.com.br para liberação do produto

 

BOLETO, CARTÃO (MOIP OU PAGSEGURO) OU DEPÓSITO BANCÁRIO

 

 

 

+ INFORMAÇÕES SOBRE ESTE CONCURSO

 

 

Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul abre 130 vagas

 

Vagas são para veterinários, engenheiros agrônomos e florestais.
O salário é de R$ 3.056,70.

 

Secretaria da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul

Inscrições

De 23 de outubro a 6 de novembro

Vagas

130

Salário

R$ 3.056,70

Taxa

R$ 137,19

Prova

data a ser divulgada

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Estado do Rio Grande do Sul abriu concurso para 130 vagas de médicos veterinários, engenheiros agrônomos e engenheiros florestais, todos de nível superior de escolaridade. O salário é de R$ 3.056,70. Ficam reservados a candidatos negros e pardos 16% das vagas do concurso.


No site da Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos (FDRH), é possível ver o edital
 (acesse o edital).


As inscrições devem ser feitas de 23 de outubro a 6 de novembro pelo site 
www.fdrh.rs.gov.br. O valor da taxa de participação é de R$ 137,19.


Os profissionais trabalharão na fiscalização de produtos de origem animal e vegetal para garantir que a população consuma alimentos de qualidade. Vinculados à Divisão de Produtos de Origem Animal (Dipoa) e na Gerência de Defesa Vegetal, serão distribuídos por 19 cidades onde há maior demanda por cada área de atuação, incluindo a sede da Seapa, em Porto Alegre. Eles devem começar a ser chamados quatro meses após a seleção.


São 120 vagas para fiscal estadual agropecuário, sendo 100 delas para médico veterinário no Departamento de Defesa Agropecuária de Alegrete, Bagé, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Estrela, Ijuí, Lagoa Vermelha, Osório, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Pardo, Santa Maria, São Luiz Gonzaga, Soledade e Uruguaiana. As 20 vagas restantes são para engenheiro agrônomo na Gerência de Defesa Vegetal para Alegrete, Bagé, Caxias do Sul, Cruz Alta, Erechim, Estrela, Ijuí, Lagoa Vermelha, Osório, Palmeira das Missões, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Rio Pardo, Santa Maria, Santa Rosa, São Luiz Gonzaga, Soledade e Uruguaiana.

Outras 10 vagas são para técnico superior agropecuário e florestal, para médico veterinário, engenheiro agrônomo e engenheiro florestal, na Coordenação Regional da Agricultura, em  Porto Alegre.

As provas objetivas serão realizadas na cidade de Porto Alegre, em local, data e horário a serem fixados em edital, no prazo mínimo de 8 dias de antecedência da data das provas, as quais terão duração de 5 horas.

Comentários sobre o produto